Quanta vida pode haver numa vida só?

Outubro 12, 2017

Pensar na vida é um exercício muito engraçado. Faço-o às vezes e hoje enquanto vagueava nos pensamentos, dei de caras com um filme, que não resisto partilhar. Pela força do texto, resolvi também transcrevê-lo:

“Quanta vida pode haver numa vida só? Vivemos quando abrimos os olhos e respiramos, ou quando não perdemos aquela chance.

Vivemos quando largamos tudo e começamos uma nova ideia, quando conseguimos começar de novo. Vivemos para sermos maiores e indo mais longe, vivemos mais tempo.

Porque mais importante do que chegar, é a vontade de arrancar!

Vivemos quando saímos de casa sem camisola e vem o frio…quando achamos que vai chover e vem calor.

Vivemos quando, destes pequenos enganos, ainda tiramos um sorriso e oferecemos de presente e assim ficamos mais cheio de motivos para viver.

Vivemos, quando entendemos que se vive melhor quando se vive junto e aí compartilhamos, dividimos e cuidamos.

Vivemos quando conhecemos aquela pessoa e por ela cruzamos ruas e continentes.

Vivemos quando nunca cruzamos os braços.

Vivemos quando um se torna dois e viram três, ficando cheios de uma vida totalmente nova.

Vivemos quando redescobrimos o amor, o amor próprio, o amor ao próximo!

Há gente que vive só quando o sapato aperta, outros só quando os pés saem do chão.

Há gente que vive para mudar o mundo. Há aqueles que gostariam de mudar tudo, só para não mudar nada e viver ali quietinho.

Há gente que espera pela vida, há gente que vive a correr atrás dela e tem aqueles que a criam em cada respiração, no suor e no sangue, nos sonhos que jamais deixam morrer!

Vivemos quando entendemos que viver é este movimento que nunca pára. Porque afinal, no dia em que ele por fim parar, já não precisamos de nos preocupar mais com a vida.”

A Mãe da Maria (Ana Rebelo)

 

Também Poderá Gostar

Sem comentários

Deixar Comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.