O meu pai era assim, gostava de mim “porque sim”!

Fevereiro 10, 2018

Não sou nada dada a dramas, nem tristezas. Bem pelo contrário. Só me permito ser feliz. Foi uma escolha que fiz e recuso-me a mudar. Mas hoje não me sinto assim.

Eram 00:00m e lá estava o meu iPhone a apitar insistentemente. ANIVERSÁRIO PAI!

O nó na garganta apertou. Aniversário é dia de festa, dia de alegria, dia de ir a correr comprar o presente para alguém surpreender. Parar tudo para ir comemorar, com um almoço ou um jantar. Mas pelo quinto ano o Pai já não está cá.

Tenho feito um enorme esforço para que a dor diminua, mas sem sucesso nenhum. Tenho tantas saudades PAI, faz-me tanta falta. Será que isto tem mesmo de ser assim? Será que temos mesmo de crescer?

Eu continuo a ser a menina do papá e recuso-me a ter outra forma de ser ou estar. Sempre tive a certeza que mesmo que tudo corresse mal, eu teria o meu porto seguro – o PAI. Sim, porque o meu PAI era assim, gostava de mim “porque sim”!

Amparava-me nas quedas, ralhava-me quando tinha mesmo de ser. Chamava-me à razão, sempre com a precisão de um relógio suíço. Orgulhava-se da minha força. Fazia-me rir de mim própria. Sorria-me sempre por entre um olhar de gozo, misturado com o orgulho que tinha em mim.

As longas conversas que tínhamos, em que mesmo sem saber estava a aprender e me levavam a seguir o caminho que tinha de ser. O meu PAI era assim, não me deixava cair, gostava de mim “porque sim”!

Nestes quase cinco anos de saudade, tenho uma certeza, que se estivesse aqui teria dado um outro sabor a todas as minhas vitórias e sem dúvida me teria poupado a algumas desilusões.

PAI onde quer que esteja, vai daqui um enorme beijinho de PARABÉNS carregado de saudade. Sei que um dia voltaremos a estar juntos para continuarmos as nossas longas conversas.

P.S.: O meu PAI era assim, gostava de mim “porque sim”… e não é essa a única e (verdadeira) forma de gostar?

A Mãe da Maria (Ana Rebelo)

Também Poderá Gostar

2 Comentários

  • Responder ana fontes Março 13, 2016 em 12:34

    Há 49 anos que padeço do mesmo mal ! Nessa data cozinho um dos seus pratos favoritos (com bacalhau)…..e a mágoa e a saudade acompanham Morrer não é desaparecer ……. Só se deixarmos.

  • Responder Ana fontes Fevereiro 11, 2018 em 15:27

    50 anos depois …. Continuo a sentir-me a”menina do papá” ! 5 ou 50 ! Não importa . O nó na garganta perdura, assim como a saudade . Amor é intemporal ! Abraço .

  • Deixar Comentário

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.