Mães não se deixem desumanizar

Fevereiro 13, 2018

“Mãe, o seu bebé tem uma deficiência”. E é naquele momento que o nosso olhar se modifica. E a nossa tendência é tirar o foco do cheirinho de bebé, e passar a ver o nosso filho como uma lista de “faz, não faz”. É como se ele fosse, naquele momento, separado de todas as outras crianças. Ele tem, agora, metas para cumprir. Afinal, ele tem um “atraso”. 

O olhar dos outros sobre os nossos filhos muda. As crianças com deficiência são vistas como anjos. E isso desumaniza. A criança é tão especial que não se pode misturar com as outras na escola, no parque, na sociedade. Tão especial que muitos vão dizer que não estão preparados para lidar com ela. É mais fácil arranjar essa desculpa do que encarar e isso segrega, exclui.

O nosso olhar também muda. E o olhar dos outros sobre nós também. No momento em que descobrem que somos uma “mãe especial”, colocam-nos num pedestal…onde nunca gostariam de estar, mas assim é mais fácil para eles. “Admiro-te muito, és especial, olha o que fazes pela tua filha, és uma guerreira”. Mas a minha pergunta interior é sempre a mesma “e eu tive opção?? A filha é minha. Eu amo-a e irei cuidar dela”. 

E a “santa mãezinha”, continua o seu caminho quase canonizada – mas muitas vezes só. Eu já falei sobre os problemas do discurso da “mãe especial”, mas não custa relembrar. Isso desumaniza-nos. No momento em que viramos “mãe especial guerreira master plus”, perdemos o lado mulher. O lado pessoa, que tem desejos, sonhos, aspirações, qualidades e defeitos. Passamos a ser vistas como um “nós”: eu e a minha filha. Inseparáveis. 

Ousem dizer que precisam de tempo para respirar, que estão esgotadas. Ousem dizer que queriam ter tempo para arranjar as unhas. Ousem reclamar da falta de dinheiro ou tempo para realizar sonhos ou projetos pessoais. Ousem dizer um palavrão!! O eu, não somos “nós”. Existe e continuará sempre a existir a mulher que estava cá antes do momento em que nasceu uma “mãe especial”. 

Dito isto, o que e que nós mães podemos fazer?

Quanto ao olhar dos outros sobre os nossos filhos, eu só queria dizer que a Maria é um anjo sim, tal como os irmãos, mas dependendo do dia ou da ocasião, como todas as crianças. A diferença é que ela tem mais dificuldades e precisa de suporte específico para tudo. A Maria é uma cidadã como todos os outros e tem direitos.

E, para terminar, quanto ao olhar dos outros sobre nós…já pararam para pensar quem são? O tempo muda-nos, e muitas vezes nem percebemos. Ora pensem lá comigo: o que é que gostavam antes de serem mães? E antes de serem mães de uma criança com deficiência? Ainda gostam das mesmas coisas? O que gostariam de realizar? Quais são os vossos sonhos? Qual a última vez que fizeram algo por vocês mesmas? Assumam o vosso lado mulher. Isso não é um problema ou um defeito. Isso não quer dizer que vocês não amam os vossos filhos. Isso não quer dizer que vocês não fazem tudo o que podem por eles. Não carreguem essa culpa que é colocada sobre os ombros das “mães especiais”. Não se deixem desumanizar.

Façam o vosso melhor, mas não deixem de pensar em vocês, pois uma coisa não exclui a outra. E peçam ajuda quando necessário!

O que é mesmo preciso é menos julgamento e mais acolhimento! 

A mãe da Maria (Ana Rebelo)

Também Poderá Gostar

1 Comentário

  • Responder Mães não se deixem desumanizar - Baby Blogs Portugal Fevereiro 13, 2018 em 23:19

    […] O olhar dos outros sobre os nossos filhos muda. As crianças com deficiência são vistas como anjo. E isso desumaniza. A criança é tão especial que não se pode misturar com as outras na … Ver artigo completo no Blog […]

  • Deixar Comentário

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.