45 da mãe!

Junho 16, 2019

Dona de uma beleza invejável, amante do amor e traída pelo destino, perseguida por pesadelos, cortaram-te os pés, mas tu transformas-te as cicatrizes nas mais belas asas.

Sem lamentações, sem tempo para odiar, quebrando o gelo em cada passo sem medo de queimar as mãos pelo outro, eu sou mas tu és muito mais que qualquer eu serei algum dia.

Por todas as vezes que na tua frente eu mantia a minha opinião firme e constante por mais impotente que fosse e nas tuas costas eu defendia com raiva e frustração o teu ponto de vista porque o ” a minha mãe disse” e ” a minha mãe tem razão” serão sempre os meus maiores argumentos…

De todas as vezes que eu bati com a porta, e essa força que há uns segundos eu tinha tido para gritar e odiar transforma-se numa fraqueza de alma e num choro inconstante com raiva de mim e do porquê é que fui assim…

De todas as vezes que eu disse que não ia levar essa roupa porque não gostava e dias depois passaram a ser as minhas peças de roupa favoritas…

De todas as vezes que te vi despejar nem que fosse uma lágrima e automaticamente os meus olhos grandes e gordos explodiam e sentiam essa dor que era tua numa pequena amostra do que tu sentias…

De todas as vezes que eu te desiludi acredita que ver-te assim será sempre o meu pior castigo…

De todas as vezes que eu ainda cabia no teu colo e me enrroscava em ti qual sofá qual almofada eu estarei sempre melhor aí…

De todas as vezes que me dás a mão e não desistes de mim acredita eu vou querer mudar o mundo só para te ver feliz…

De todas as vezes que eu te subestimei e disse que tu nunca prestas atenção mas na verdade é pouco ou nada o que tu não sabes sobre mim…

De todas as vezes em que comprámos pipocas no cinema, apagámos as luzes, criando uma real sala de cinema e passado cinco minutos eu adormeci…

De todas as vezes que viram vezes e vezes sem conta e que se multiplicam por dias infindáveis ao teu lado, não sei como ainda não te cansaste de mim… Mas eu prometo que de todas as vezes que eu te ligo já meia ensonada só para dizer boa noite não serão vezes contáveis porque eu não sei viver sem ti e eu penso no quão sortuda sou por ter no meu sangue um pouco de ti e do teu perfeito coração que no teu peito baterá e na minha mão nunca caberá mas em comparação com o tamanho do Mundo talvez funcionará…

És este amor que não se explica e que dói em todas as partes do corpo quando sinto a tua falta és para sempre és ETERNA! Parabéns! 45 da mãe!

A irmã da Maria (Matilde Rebelo Pires)

Também Poderá Gostar

Sem comentários

Deixar Comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.